Psicopatas do Cinema por Giovana Castro

CASTRO, Giovana. Psicopatas do Cinema: Uma análise da mais perversa patologia na sétima arte. Editora FoxTablet. 2014.

A obra de Giovana Castro é embasada em uma análise de famosos assassinos retratados no cinema, como Hannibal Lecter, Norman Bates, John Kramer, Patrick Bateman, e muitos outros personagens, por meio de uma ótica psicanalítica realista, através da experiência profissional da autora em contraste com o conhecimento atual da área psicológica em relação ao transtorno de personalidade e a representação irreal deste no cinema.

O livro é estruturado através de uma narrativa em terceira pessoa, construindo um aspecto de artigo/revista, fundamentada principalmente na psicologia analítica, que por consequência recorre constantemente aos estudos de Sigmund Freud e similares de maneira coesa, objetiva e didática. Na qual, de maneira teórica e contínua é apresentado para o leitor, tanto o início da psicanálise e a psicologia em relação aos transtornos de personalidade, quanto à comparação destes com a realidade psicológica contemporânea.

O desenvolvimento do livro traz uma desconstrução dos estereótipos de transtornos psicológicos reforçados em ficções de terror populares em nossa sociedade, onde a desumanização do humano que comete um crime hediondo, tanto na vida real quanto no cinema, é iniciado com o afastamento da imagem deste com a humanidade, caracterizando-os como “monstros”, seres irracionais, frios e cruéis. Porém, como de objetivo da escritora, esses estereótipos são refutados, com concepções sobre a consciência e a psicologia analítica moderna. Enfatizando a necessidade da dissociação do ser psicopata ao ser assassino, em que a autora reforça que a porcentagem atual reconhecida como psicopata em nossa sociedade não está ligada as representações “hollywoodianas”, onde essas são capazes de conviver em nosso cotidiano de maneira “comum”.

A autora também trabalha na crítica à romantização de transtornos e os relacionamentos destrutivos nas representações cinematográficas, alegando a influência e a alienação da sociedade através destes em relação aos transtornos na vida real. Contudo, o livro apresenta um conteúdo de fácil entendimento e promove reflexão sobre a influência cinematográfica em relação às concepções de saúde mental, transtornos e até mesmo relacionamentos contemporâneos, sem a utilização de um repertório técnico, mas ainda assim fundamentado por estudos reconhecidos na área da psicologia. Para amantes de psicologia analítica, esse livro seria um ótimo passatempo, porém se o seu desejo é apenas uma leitura sórdida com detalhes sobre assassinatos e serial killer, recomendo procurar alguns documentários, séries e afins.

Bruna Luciana Valle é acadêmica do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: