O Alienista por Caleb Carr

CARR, Caleb. O Alienista. Editora Record. 1995.

“O Alienista” é uma obra pioneira do gênero de ficção policial e mistério, que nos imerge no mundo dos fenômenos de assassinatos, onde a história da criminalidade se desenvolve no final do século XIX, mais precisamente no ano de 1896, na cidade de New York. A construção da obra foi fundamentada em uma rigorosa pesquisa focada em assassinatos em séries (serial killer), embasados em estudos como os do Dr. David Abrahmsen, que realizou estudos sobre o famoso Jack, O estripador, e grandes escritores de ficção como Colin Wilson, Janet Colaizzi, Herold Schechter, Joel Norris, Robert K. Ressler, além de outros inúmeros profissionais da área da psicologia para o desenvolvimento dos conteúdos e percepções psicológicas da obra.

O livro possui uma linguagem complexa e algumas vezes maçante, por ter um desenvolvimento desacelerado, porém não afeta a grandeza da obra de Caleb Carr, com a obra narrada em primeira pessoa por John Moore, um personagem gentil e sentimental que contém um passado repleto de infelicidades, características de um personagem que traz grande identificação com seus leitores.

Na trama, John recebe o convite do comissário da polícia Theodore Roosevelt para fazer parte de um grupo, liderado pelo célebre Dr Kreizler, cujo objetivo é capturar o abominável serial killer que age em New York, e a partir deste acontecimento os personagens são desenvolvidos de forma complexa e envolvente, mantendo o estilo soturno e denso da trama, na qual, conforme a leitura, poucas pistas vão surgindo sobre o misterioso e macabro assassino a cada capítulo, e mesmo de maneira mínima, todas elas se tornam fundamentais com o avanço da história, trazendo muita análise criminal, diálogos intelectuais e claro, romance policial.

O livro foi adaptado para a plataforma da Netflix, na qual o gênero é respeitado, porém, como sempre alguns fatos do livro são modificados, mas ainda é uma ótima recomendação para quem gosta do gênero, como “Criminal Minds”, “CSI” e etc. Porém sem a tecnologia favorecendo a trama, tempos antes dos exames de DNA e com a construção dos assassinados suavizada e personagens mais romantizados.

Por fim, o livro é rico em detalhes, perfeitamente construído e desenvolvido. Não há como não se relacionar com os personagens e temer o assassino, trazendo um tom perturbador pelo trabalho complexo da psicopatologia forense e do envolvimento com a ciência criminal de modo praticamente didático. Sinceramente eu adoraria ter uma tarde de conversa com o autor Caleb Carr depois de ler as suas outras obras na esperança de que mantenha essa mesma magnitude em suas tramas.

Bruna Luciana Valle é acadêmica do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: